Instituto José Maciel

Depoimentos

Estatísticas do Site

Membros : 488
Conteúdo : 627
Links da Web : 6
Visualizações de Conteúdo : 843771

Pessoas Online

Nós temos 13 visitantes online

Almeida reconhece: "Ja nao se faz celas como antigamente".

E-mail Imprimir PDF


Seu Almeida, ao lado do Filho, Renê Ferreira, que sucede na profissão

Pouca gente sabe, mas existe dois tipos de celas que são usadas como montaria de cavalos: a "Suzana" e a "Cachoeirinha". Ambas são confeccionadas artesanalmente. A primeira, está praticamente sem procura por que são feitas para passeio.

A segunda, desde o advento das vaquejadas no Nordeste, está sendo mais requisitada. Quem dá essa explicação é o senhor José Almeida Ferreira da Silva, de 87 anos, que se destacou neste ramo em Macaíba ao longo dos anos. É considerado um dos últimos artesãos da cidade. Além dele, outras pessoas também atuavam neste ramo: Sebastião Caetano, Manoel Fernando e seu filho, Chico Fernando.

"Seu" Almeida acrescenta que as celas "Suzana" duram cerca de 20 anos, enquanto que as "Cachoeirinha" só resistem pouco mais de 3 meses.

"Eu não faço mais a 'Suzana' por que ninguém encomenda. Mas é a melhor, pois é feita de João Mole, Jurema Preta e Azeitona. Tem delas que já durou 30 anos. As de hoje ('Cachoeirinha') não duram 05 meses. São feitas de tábua", falou.

TABELA - No que se refere ao preço das duas celas, a "Suzana" pode ser encomendada a R$ 150,00 ou R$ 200,00; enquanto que a "Cachoeirinha", varia de R$ 80,00 a R$ 150,00. "Seu" Almeida revela que para confeccionar uma cela "Suzana", consome cerca de cinco dias. "Dá um trabalho danado", diz.

Para isso é preciso o seguinte material: madeira, couro, prego, linha, sola e brocha. "Quando eu tinha 5 operários, fazia 6 celas por semana. Ano passado, só fiz uma".

A notoriedade das celas de "Seu" Almeida alcançou vários lugares. Ele afirma que já vieram pessoas de Canindé/CE, Fortaleza e São Paulo à procura do seu artesanato.

Nascido em maio de 1913, em Tacima/PB, "Seu" Almeida disse que começou a confeccionar celas em 1933. Aprendeu a arte com o delegado da localidade, José Justino, que fabricava celas para vender.

"Eu tinha uns tios que ajeitava celas, e trabalhava fazendo bainha de faca de ferreiro", lembra "Seu" Almeida. "Meu sogro perguntou se eu não me atrevia a fazer celas de montaria, pois o delegado estava precisando de ajuda".

Após 2 anos, "Seu" Almeida diz que iniciou na profissão por conta própria. Em 1954, chegou a Macaíba. Na época, lembra, na rua Major Antonio Delmiro (rua da usina Nóbrega & Dantas) só existia a sua casa, 296, e outras poucas. Casou-se em primeiras núpcias com Neuza Pessoa Ferreira, falecida em 1955.

Anos depois, casou-se em segunda núpcias com Maria Dite da Costa. Da união desses dois casamentos, nasceram 22 filhos.

"Seu Almeida, anos atrás, contava com o auxílio dos filhos para fabricar as celas encomendadas. Reneê Ferreira da Silva, 36 anos, é o único dos filhos que continua na profissão. Ele remonta e concerta celas "Cachoeirinha".

Um outro filho, Rafael, é dono de uma capotaria, fazendo a cobertura de bancos de automóveis. "Seu" Almeida também é pai de Antonio de Almeida, conhecido comerciante da rua da Usina; Ferreira, engenheiro e professor de Física; e Roberto, ex-funcionário da Cosern.

 
 Natal/RN - Brasil,