Instituto José Maciel

Depoimentos

Estatísticas do Site

Membros : 496
Conteúdo : 627
Links da Web : 6
Visualizações de Conteúdo : 864751

Pessoas Online

Nós temos 26 visitantes online

Saudacao a Albanita Soares de Macedo

E-mail Imprimir PDF

ACADEMIA DE MEDICINA DO RN
Saudação a Albanita Soares de Macedo

A tarefa de saudar, pela Academia de Medicina, um novo membro que passa a integrar esta instituição a partir de agora, me engrandece de uma forma singular; e expressar as boas-vindas a uma colega da dimensão de ALBANITA LEITE SOARES DE MACEDO é honra, é prêmio, é desmesurada distinção, é um legítimo privilégio e sou convicto de que somente me encontro nesta situação por conta da magnanimidade da nova acadêmica. Seguindo a determinação da natureza humana, que impõe que as interpretações dos fatos se dão atendendo aos interesses pessoais, conscientes ou inconscientes, sinto que estou em vantagem perante a bem-vindaALBANITA, pois se o Criador me forjou infenso a vaidades e despido de orgulhos, concedeu-me a capacidade de sentir privilégios como este, que não sei descrever mais sinto transbordar do meu espírito. Dra. ALBANITA, o termo é exatamente privilégio, pois estou falando como representante de uma plêiade; aqui temos acadêmicos de respeitável produção científica e intensa atividade literária e, como sou certamente o menor dentre eles, a pouca estatura intelectual que carrego limita-me no cumprimento da incumbência de saudá-la à altura do seu valor pessoal, do seu nível intelectual, do seu cabedal científico, da sua capacidade técnica na medicina, da sua competência médico-assistencial e da sua qualidade como professora; a comunidade médica do nosso estado e as pessoas que receberam a graça do seu atendimento profissional reconhecem que as características e as aptidões aqui citadas se assestam em grau máximo na sua figura de mulher, de médica e de cidadã.

A Dra. ALBANITA nasceu, mora e trabalha em Natal, enriquecendo desde cedo a nossa capital através do seu pendor para o estudo, para o trabalho e para o ensino, atividades nas quais sempre destacou, mercê da sua brilhante inteligência, da sua capacidade laboral e do seu amor pela medicina. Gosta tanto de estudo e de saber que cursou contabilidade, depois odontologia e, em seguida medicina, sendo simplesmente a laureada nesse curso, que a lançou na profissão em que fez Residência, Mestrado e Doutorado e, principalmente, um nome respeitado, admirado e querido. A sua trajetória como professora estende-se do segundo grau a cursos de especialização acadêmica na área que escolheu para atuar profissionalmente. Fui agraciado em receber aulas suas no curso de medicina em duas oportunidades – na disciplina de anatomia, colaborando com o mestre Hiram Diogo Fernandes e na Maternidade Escola Januário Cicco, na equipe do Prof. Leide Morais. Muitos mestres e doutores em medicina receberam a sua orientação, e não por acaso esta mulher que hoje vem iluminar a Academia de Medicina do Rio Grande do Norte tem sido homenageada e reverenciada constantemente por turmas de médicos tanto na graduação como na especialização em medicina. Agora, ALBANITA, você chega a esta casa trazendo a sua imensa bagagem científica e cultural recheada com a sua esmerada educação, que se expressa no comedido gestual, no seu sorriso espontâneo, na afabilidade da sua fala e nas suas atitudes que sempre inspiram confiança.

Nada do que é bom pode ser considerado em excesso. Refiro-me aqui ao alentado currículo desta acadêmica, cuja extensão e conteúdo emprestariam importância e renome a qualquer médico em qualquer lugar, mas para ALBANITA LEITE SOARES DE MACEDO, todas as titulações, prêmios, comendas e homenagens ali contidos são secundários ao seu valor pessoal. Tomo a meu gosto a licença para nominar pouco, mas que acredito representativo, do que consta como galardões conferidos a ela: COMENDA ONOFRE LOPES, MEDALHA CLARA CAMARÃO, MEDALHA NISIA FLORESTA. São honrarias maiores na nossa terra em diferentes campos de atividade social, dificilmente alcançáveis por quem não almeja púlpitos e nem busca exposições. A área preferencial desta médica é caracterizada pelo recato e pela modéstia, que se somam ao princípio cristão da humildade, com o qual se impõe aos colegas e aos seus alunos, e pelo acolhimento e proteção que dedica às pacientes que atende.

A nova acadêmica comparece regularmente aos congressos da sua especialidade, sejam no âmbito regional, nacional ou internacional; frequentou dezenas de cursos tanto na especialidade-mãe que abraçou e que exerce com maestria, como em diversas áreas de atuação pertinentes; produziu e publicou dezenas de trabalhos científicos; proferiu conferências e palestras em diversos eventos da tocoginecologia e de suas áreas de atuação; exerceu chefias de serviços de graduação em medicina e de serviços assistenciais e de formação e especialização em obstetrícia e ginecologia; no patamar da carreira docente universitária – a banca examinadora, a Dra. ALBANITA marca constante presença na avaliação de teses e trabalhos de colegas candidatos a títulos e a reconhecimento profissionais. Mas tenho certeza de que todos esses trunfos não representam muito para ela, quando cotejados com o valor que lhe é mais intrínseco, mais caro e sempre cultivado ao longo da sua vida profissional – a prática médica. O que faz realmente está médica feliz, realizada e em paz consigo é o exercício da medicina, o que lhe é naturalmente facilitado pelo preparo intelectual e científico que detém.

Há uma diferença importante e, por vezes, um distanciamento infeliz entre o conhecimento de medicina e ser médico; muitos profissionais carregam grandes conhecimentos científicos da medicina e são incapazes de ser bons médicos,

enquanto que outros colegas, detentores de conhecimentos mais limitados, se mostram excelentes na assistência aos pacientes e isso é o que interessa à população, constituindo-se no objetivo maior da profissão; tal realidade se deve ao fato de que as pessoas medianamente inteligentes podem aprender quase tudo e qualquer coisa, inclusive medicina; quanto a ser médico de verdade, são imprescindíveis além de aptidões e habilidades, o dom e o talento específicos, e o principal: gostar de gente; sem o amor ao próximo e o sublime sentimento de solidariedade, não há como ser um bom médico.

Lima Barreto, em sua obra ‘’Cemitérios dos Vivos’’, assim se refere ao atendimento que recebeu: ‘’É bem curioso esse Roxo. Ele me parece inteligente, estudioso, honesto; mas não sei por que não simpatizo com ele. Ele me parece desses médicos brasileiros imbuídos de um ar de certeza de sua arte, desdenhando inteiramente toda a outra atividade intelectual que não a sua e pouco capaz de examinar o fato por si. Acho-o muito livresco e pouco interessado em descobrir, em levantarum pouco o véu do mistério – que mistério! – que há na especialidade que professa. Lê os livros da Europa, dos Estados Unidos, talvez; mas não lê a natureza. Não tenho por ele antipatia; mas nada me atrai nele. ’’ É a descrição perfeita do que sente um paciente quando percebe que o médico não se interessa por ele, pelo seu sofrimento; tal profissional pode saber muita medicina, mas não sabe ser médico.

O ideal é que o médico saiba muito de medicina esse interesse mais ainda pelas pessoas. E é o que felizmente temos reunidos na médica ALBANITA LEITE SOARES DE MACEDO, correspondendo integralmente ao preconizado nesta Academia, que agora a acolhe na sua casa; Albanita sabe medicina e muito; das bases anatômicas até os mais avançados e atuais conhecimentos científicos que facilitam os diagnósticos mais precisos e proporcionam as terapêuticas mais eficazes, em virtude da sua incessante busca por conhecimentos e incansável atividade profissional. Mas Albanita tem uma qualidade adicional, que é fundamental para uma boa prática médica: carrega consigo o sentimento da solidariedade; é impregnada de amor ao próximo, enfim gosta de gente; Albanita, aqui estão colegas seus contemporâneos e ex-alunos; colegas e amigos; entre seus agora confrades também se encontram colegas de magistério e de especialidade, médicos de origens, de formações e de atividades diversas e, mais certamenteainda, você encontrará admiradores, todos nós, da sua pessoa, do seu exercício profissional médico e reverentes à importância da sua pessoa para a medicina potiguar.

Na sua arte de partejar, você trouxe muita gente ao mundo, com cuidado, acolhimento e amor; como participante de nascimentos, parteira também é mãe; nada mais próprio e adequado, por tanto, do que recebê-la entre nós na antevéspera do dia das mães. Albanita, colega, amiga e confrade, não precisa

dizer “Ô de casa!” pois não poderemos responder “Ô de fora!” você já é daqui, não é visita, é dona. Entre, nos abrace e nos ilumine.

 

Comentários   

 
0 #1 BestWoodrow 05-11-2018 16:08
I have noticed you don't monetize your website, don't waste your traffic, you can earn extra cash every month.
You can use the best adsense alternative for any type of website (they approve all
websites), for more details simply search in gooogle: boorfe's tips monetize your website
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 Natal/RN - Brasil,