Instituto José Maciel

Depoimentos

Estatísticas do Site

Membros : 469
Conteúdo : 617
Links da Web : 6
Visualizações de Conteúdo : 775013

Pessoas Online

Nós temos 46 visitantes online

Hospital Infantil Varela Santiago

E-mail Imprimir PDF

Fruto do trabalho voluntário e da dedicação do Dr. Manuel Varela Santiago Sobrinho, o hospital completa 92 anos e é referência em tratamentos de média e alta complexidade na área de pediatria.

Em 12 de outubro de 1917, numa das salas de sua residência, à Rua da Conceição nº 593, o Dr. Manuel Varela Santiago Sobrinho, que retornara de uma viagem à Europa, onde se especializara em pediatria, iniciou o atendimento médico a crianças carentes, em regime ambulatorial, contando ainda, com uma unidade laboratorial e farmacêutica, para melhor atender aos pequenos doentes.

Deste modo nasceu o Instituto de Proteção e Assistência à Infância do Rio Grande do Norte, tendo como finalidade “prestar assistência médico-social gratuita à infância desamparada, sem distinção de credo político ou religioso ou qualquer preconceito de raça ou de cor”, se caracterizando como uma instituição, verdadeiramente, filantrópica sem auferir lucros para distribuição de dividendos aos seus associados.

Leia mais...
 

Leide Morais: 80 Anos

E-mail Imprimir PDF

               Neste 15 de setembro, se vivo fôra, o professor Leide Morais completaria 80 anos de idade.
               Filho de Laurentino Ferreira de Morais e Beatriz Leite de Morais, nasceu em Mossoró(RN), vindo muito cedo para natal, onde concluiu seus estudos secundários no Colégio Marista. Em Recife, começou a cursar a Faculdade de Medicina, até o 3° ano, quando resolveu transferir-se para Bahia, havendo concluído em 1952.
               Retornando a Natal, passou a integrar a equipe de médicos do Hospital Miguel Couto (hoje HUOL) e da Maternidade Januario Cicco, incorporando-se à Policia Militar como medico, onde criou e instalou o Serviço de Saúde, havendo construído os ambulatórios e iniciando a construção do Hospital Geral.
               Em 1960, os acadêmicos da Faculdade de Medicina de Natal, fundada em 1955, estavam se preparando para cursar a Clínica Obstétrica. Por convite do diretor Onofre Lopes, o Dr. Leide Morais aceitou a indicação para professor catedrático de Obstetricia acumulando com a direção da Maternidade Januário Cicco. Teve que fazer uma difícil opção, renunciando a chefia do Serviço Medico da Policia Militar. Para assumir suas funções docentes fez pós-graduação na Espanha no serviço do professor Botella Llusiá, retornando a Natal em 1960, quando a Universidade foi Federalisada. Para integrar sua equipe de professores, convidou os médicos Araken Irêrê Pinto, Lavoisier Maia Sobrinho e Willian Pinheiros dos Santos que com ele organizaram o serviço da Maternidade-escola, inclusive prontuários para receberem a primeira turma de alunos de Medicina.

Leia mais...
 

Memorial da Medicina do Rio Grande do Norte

E-mail Imprimir PDF

Com um acervo formado por fotografias, registros históricos, diplomas originais e reproduções, objetos, instrumentos médicos e mobiliários do século passado, o memorial é referência para discussão e reflexão sobre o itinerário sócio-histórico da medicina no RN.



O Memorial da Medicina do Rio Grande do Norte é uma extensão do Conselho Regional de Medicina do RN (CREMERN), e nasceu a partir da idéia do Conselheiro Dr. Rubens dos Santos Silva, encampada pelo então Presidente do CREMERN, Dr. Newman Figueiredo de Macedo e sua Diretoria, entre 1995 e 1996. É aberto ao público e funciona diariamente das segundas às sextas feiras, no horário de expediente, e com acesso pelo CREMERN.

Em 04 de março de 1996 foi inaugurando nas dependências do CREMERN, à época situada na Av. Café Filho, Praia do Meio, data marcada com uma exposição de fotografias organizadas pelo Prof. Olímpio Maciel, e uma exposição retrospectiva de quadros do médico e pintor Prof. Leopoldo Nelson de Souza Leite (in memorian), originando assim a pinacoteca, cujo nome fora aprovado em Assembléia do CREMERN, em 14 de fevereiro de 1996. Estas obras, do acervo particular da família, foram expostas entre os dias 04 e 08 de março de 1996, marcando a abertura do Memorial.

Leia mais...
 

Biografia do Dr. Paulo Pinto de Abreu

E-mail Imprimir PDF

DR. PAULO PINTO DE ABREU

          Nasceu na Fazenda BARREIRO, em ALAGOINHAS BAHIA a 07 de JUNHO de 1861.

          Filho de LOURENÇO PINTO DE ABREU e HERMELINDA LEOPOLDINA DE ABREU.

          Aprendeu as primeiras letras com seu Pai que era Fazendeiro e Professor e o preparou também para as provas de ingresso na FACULDADE MEDICINA DA BAHIA. Tendo presente o termo de colação de grau de DOUTOR EM SCIENCIAS MEDICO-CIRURGICAS recebeu em 10 DE SETEMBRO 1892 DIPLOMA que lhe outorga o direito o de exercer qualquer ramo da arte de curar.

          Sua tese de Doutorado: “RETENÇÃO DA PLACENTA E DAS MEMBRANAS NOS ABORTAMENTOS”.

          Ele dizia que o titulo de DOUTOR só poderia ser usado pelos médicos que defendiam teses com sucesso.

          Por Concurso Público habilitou-se ao ingresso no Quadro de Saúde do Exército, tendo sido designado para servir na COLONIA MILITAR DE CHOPIM.

          Naqueles tempos surgiram dúvidas de fronteiras, levantadas pelo Governo Argentino.

          Os tratados estabeleciam que o RIO SÃO FRANCISCO (não é o Velho Chico) seria limite entre os dois países; o problema residia na identificação do Rio; Os Argentinos entendiam que o SÃO FRANCISCO era um Rio mais adentrado no território do Brasil, com o que as nossas Autoridades não concordavam

          O Exército Brasileiro acautelando, criou três COLONIAS MILITARES olhando para o Vale do Rio SÃO FRANCISCO VERDADEIRO; o outro Rio semelhante passou a chamar-se de SÃO  FRANCISCO  FALSO.

          As três Colônias Militares eram: CHOPIM - CHANXERÊ - CHAPECÓ.

          O Dr. PAULO PINTO DE ABREU serviu como um dos pioneiros durante 10 anos na COLONIA MILITAR DE CHOPIM; casou com a prima, também de ALAGOINHA- BA FRANCINA PINTO DA SILVA; e lá nasceram três filhos: URBANO PINTO DE ABREU; HERMELINDA ABREU DE ALMEIDA E MARIANA PINTO DE ABREU.

          Participou da fase inicial da CAMPANHA DO CONTESTADO (Territórios do Paraná e Santa Catarina) quando foi ferido em combate; um projétil ficou encravado na sua coxa; Esse projétil foi operado, pelo próprio, muitos anos depois, quando ele já residia em Natal- RN; ele a colocou na ponteira da bengala com ”Castão de OURO” que passara usar nas seqüelas de congestão cerebral que o acometeu em 1924.

          Em Campanha realizou grande numero de cirurgias; sempre relembrava de um jovem soldado que ele removera todo o maxilar, e que fora atingido ao seu lado, no rosto, por projétil de “Comblen”.

          Transferido para o Maranhão e no curso de penosa viagem, Quase três meses, montado a cavalo, em carro de boi, trem e navio. Desembarcou a família em Natal (sua esposa Francina; contraíra perigosa febre do tifo) ele a deixou com os filhos aos cuidados de família de um Sargento que também servira em CHOPIM (residiam no Sítio Cucuí - Natal).

          Nos anos em que serviu no Maranhão, por carência de médicos, atendeu freqüentemente pacientes nas Guarnições do Exército do Pará. Piauí e Ceará.

          Transferido para Natal, aqui encerrou sua carreira militar no Posto de Major Médico.

          No Rio Grande do Norte exerceu a Medina em seu Consultório particular em Natal, no Interior (Baixa Verde, Pedra Preta, Gaspar Lopes, Lages); Chefiou o Serviço de Saúde da Policia Militar Estadual;

          Foi com Varela Santiago e outros Médicos amigos, Fundador do Instituto de Proteção a Infância onde deu a sua contribuição como médico, sem nenhuma remuneração, ao longo de 18 anos.

          Durante anos, Como Clinico Geral atendeu aos pacientes do Hospício de Alienados do Alecrim.

          No biênio 1935-1936 dirigiu os destinos do “SYNDICATO  MEDICO  NORTE  RIO-RIOGRANDENSE”.

          Ao encerrar o seu mandato de Dirigente (27 de Dezembro de 1936) a Agremiação de Classe, totalizava a honrosa participação de 41 sócios efetivos com a re-aceitação de onze Médicos que haviam se afastado por motivos diversos.

          Como o desejável o “Syndicato” ainda não acolhia todos os Médicos do Rio Grande do Norte.

Sua placa colocada na entrada de sua residência assim consignava:

DR. PAULO PINTO DE ABREU

MÉDICO

Consulta cinco mil reis

ATENDE-se A POBRESA GRATUITAMENTE

(Ele nunca aumentou o valor de sua consulta, por constrangimento pessoal.)

          Em Natal nasceram duas filhas: Maria Viana Pinto de Abreu e Mariah Pinto de Abreu (falecida ainda jovem na Baia, com fratura da coluna).

          O Dr. PAULO PINTO DE ABREU teve uma vida exemplar, como CIDADÃO, MILITAR, MÉDICO E CHEFE DE FAMÍLIA.

           De PRINCIPIOS SEVEROS e ATITUDES DESASSOMBRADAS, faleceu cercado da Família, vitima de mal súbito aos 87 anos assistido pelo amigo de muitos anos, Dr. Varela Santiago que acorrera à sua residência ao tomar conhecimento da triste ocorrência.

          “No seu sepultamento recebeu as homenagens da classe médica do Rio Grande do Norte, da Policia Militar do Estado e da Sociedade Potiguar.

A Assembléia Constituinte do Rio Grande do Norte assim se manifestou:

REQUERIMENTO

          Requeiro, ouvida a casa, seja inserido em ata um voto de profundo pesar por motivo do falecimento, no dia 18 do corrente, nesta Capital, do Dr. Paulo Pinto de Abreu Médico e Major reformado do Exército Nacional.

JUSTIFICAÇÃO

          O Dr. Paulo Pinto de Abreu, que desaparece aos 87 anos de idade, nasceu na Baía e residiu, aproximadamente, metade de sua vida em Natal. Aqui domiciliado, prestou humanitários serviços através de sua profissão de médico, inclusive no Instituto de Proteção e Assistência à Infância, do qual era um dos fundadores e onde serviu abnegadamente durante 18 anos. Dirigiu, por mais de uma vez, o Serviço Médico da Polícia do Estado, sala das Sessões da Assembléia Constituinte, em Natal, 22 de Setembro de 1947

Antonio Soares Filho

APROVADO POR UNANIMIDADE DE VOTOS (Ofício Nº 146 / 47 de 22 de Setembro 1947).

 
 Natal/RN - Brasil,