Instituto José Maciel

Depoimentos

Estatísticas do Site

Membros : 469
Conteúdo : 617
Links da Web : 6
Visualizações de Conteúdo : 774685

Pessoas Online

Nós temos 50 visitantes online

Por que ruiu a ponte de Macaiba?

E-mail Imprimir PDF

A imprensa local noticiou há dias, o desabamento da ponte de Macaíba, sobre o rio Jundiaí, afluente do Potengi, fato esse ocorrido em 28 de junho findo às 9 horas da manhã.

A velha ponte foi construída por meu pai, no ano de 1904, quando as únicas viaturas daquele tempo, eram, apenas, carroças e carros de boi.

Edificada sobre a rocha, com cinco arcos em forma de abóboda, que davam acesso a correnteza das águas provocadas pelas enchentes do rio, não poderia ruir desastrosamente.

As duas partes principais de uma ponte, são: a infraestrutura com os elementos de apoio, como sejam – fundamentos, pilares, contrafortes etc., e a superestrutura com a armadura e o leito para o trafego em geral. Tudo isso foi executado com a segurança, o que se prova pela solidez e resistência a muitas enchentes, como as de 1905, 1924 e de 1940, quando as águas subiram além de um metro do seu tabuleiro, mostrando-se orgulhosa de si mesma, porque a tudo desafiou.

Leia mais...
 

Desfile Militar na 2ª Guerra em Natal/RN - Brasil

E-mail Imprimir PDF


 
 
   

O Porto de Macaiba

E-mail Imprimir PDF

Ali por metade do século passado, chegou às margens do Jundiahy, um pernambucano corajoso e empreendedor, a quem a precariedade dos negócios na cidade de Goyanna, obrigou a emigrar em busca de terra mais propícia. Essa terra foi o Arrayal de Coité, por ele fundado na margem esquerda daquele rio, cuja crescente prosperidade elevou-o a categoria de vila, já então com o nome de Macahyba, actualmente a velha cidade despojada de uma situação opulenta no comércio e na política.

Esse pernambucano foi o major Fabrício Gomes Pedroza. Na escolha daquele local há a considerar a visão do homem inculto, mas seguro na sua intuição. Não foi a esmo que ele se fixou naquele ponto. Antes de o fazer considerou as condições de distância do sertão, salubridade do logar, suprimento de água potável, via de comunicação constante e barata, sem o que sua corajosa iniciativa não poderia ter êxito.

Fixar-se em Natal, seria distanciar-se do interior longínquo, cidade aquele tempo de acesso penoso por via terrestre, devido ao extenso areial inacessível aos comboios que transportavam os pesados produtos da lavoura sertaneja.

Leia mais...
 
 Natal/RN - Brasil,